sexta-feira, 21 de setembro de 2007

sonhos II



Pois bem, finalmente decifrei o sonho da mulher morta. Surpresa! Sim, em que pesem todas as situações e conexões que se faz sozinha. Recebi ajuda, pontual, da amiga-terapeuta D. Margarete, como sempre, disposta e entender e ajudar. E eis que a mulher morta não era eu... assim compreendi. Eu resto viva e no momento do sonho já o estava. A morta era outra, o cemitério era outro, o jazigo-casa, outro. E o cuidador optou por cuidar dos mortos e mortas da família. Eis a minha surpresa. Não sei por que, mas são poucos os que conseguem fugir do legado imposto pela família. Há que ser muito forte. Não é o caso. E parei de lamentar, afinal eu era/sou o bicho estranho, não cabia naquele povo-cemitério, me violentava ao entrar lá. Hoje sei, antes não, e o sonho me ajudou. Diz Jung que o sonho é porta do lado obscuro, o pórtico, o portão. Como na foto que escolhi na primeira postagem, sem saber. Há que se ter algum cuidado com o que se entrevê pelo portão, porque dele emergem a ânima e a sombra, arquétipos crepusculares. E um ser possuído pela sombra está postado em sua própria luz, caindo em suas próprias armadilhas. Deus me livre...

6 comentários:

Jucelia disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Jucelia disse...

Antes mesmo de ler tua postagem de hoje, tinha copiado da minha amiga italiana, que gentilmente me ofereceu a tradução, o seguinte texto. E agora acho que ele serve pra muito.



Discendo da cavallo. T'offro il vino
dell'addio. "Qual è, dimmi, la mèta?"
Disilluso di tutto - mi rispondo -
Ti chiuderai nel Sud, tra le montagne.
Parti, ti prego. Nulla ti domando.
Sconfinate, laggiù, bianche, le nuvole...

[Desço do cavalo e sirvo-lhe o vinho do adeus
Pergunto-lhe sobre sua viagem
Você me responde que por culpa dos seus desenganos
recolhe-se às franjas dos Montes do Sul
Vá, então, não lhe peço nada mais
Lá, no infinito, as nuvens brancas...]
(Wang Wei, Adeus)

CresceNet disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
padma wangmo- disse...

Ensino renascimento para os discípulos de pouca capacidade. Para os de maior capacidade, ensino aquilo que está além da vida e da morte.

Buddha.

padma wangmo- disse...

Ensino renascimento para os discípulos de pouca capacidade. Para os de maior capacidade, ensino aquilo que está além da vida e da morte.

Buddha.

CresceNet disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.