segunda-feira, 31 de dezembro de 2007

Pra quem tava morta...


Pra quem tava morta, 2007 até que foi um bom ano. Pensando bem, sim. Fiz uma porção de coisas inimagináveis em outra época. Retomei minha autonomia. Retomei meu trabalho. Retomei minha auto-estima. Só por isso, já estaria bom. Ainda fiz mais coisas. Viajei, o que nem nos meus sonhos mais doces teria imaginado fazer nesse ano (e andei de avião, hehe). Me desafiei em muitos aspectos. Dirigir na estrada, assumir disciplinas que não tinha domínio, estudar pra concurso em três dias, andar por lugares desconhecidos sozinha, deixar minha filha ir... Saldo positivo em tudo. Mas o mais importante foram as relações. Comecei amizades novas, com pessoas que me acrescentaram, Raquel, Jocasta, Alessandra, Sama, Silvia, Mari, Marcos, Paula, Sirlei, Antonio, Wiliam, Daniel, Leo, Gláucia; e que me fizeram pensar, Vanessa, Dai, Denise. Reforcei encontros antigos Sonia, Vivie, Gisa, Maria Luciane, Sabrina, Orlando, Fernando, Jô. Tive crises com amigos antigos, Ju (nossa amizade subiu um degrauzinho...); de outro me despedi definitivamente, agora sem mágoas. Recebi prova de amizade que jamais imaginaria, Bugra. E o amor de sempre, Nilza, Fernanda, Elenize, Leon e dos meus queridos do Garra, que amo todos e todas. Tive relaçãoes que tudo prometiam e não deram em nada, outras que nada prometiam e ainda estão... Enfim, pra quem tava morta...

E 2008? Bom, há um ano e meio aguardo, por causa de uma previsão: "2008 será o teu ano". (2+8=10, carta da Roda da Fortuna, mudança radical). Ansiedade. Esperei 2007 passar. E ei-lo. E realmente promete. Se tudo se concretizar, vai começar bombando. Se foram medos, receios, as tranqueiras, diria Wangmo. Resta limpo, claro, sereno.

É Bugra, acho que saí da crisálida. Como você disse, não estou perdida, estou é achada. Mas vou manter esse espaço de reclusão voluntária.
Bom ano pra todos nós. E que 2008 seja o nosso ano. Abraço todos e também àqueles, que por lapso, esqueci de citar.

8 comentários:

padma wangmo- disse...

feliz ano novo guriazinha!

Jucelia disse...

De não ser este raio de período turbulento em que ando, queria ter um memorando do meu ano passado. AI, pra isso teria que fechar pra balanço. Digo isso, porque como sempre adorei teu texto, e significa muito pra mim.
Tu significa pra mim.
Bju. Excelente ano pra todos nós.

Zaratustra disse...

bom 2008 a todos nós.

Jucelia disse...

Mariposa de Otoño

La mariposa volotea
y arde -con el sol- a veces.

Mancha volante y llamarada,
ahora se queda parada
sobre una hoja: que la mece.

Me decían: -No tienes nada.
No estás enfermo. Te parece.

Yo tampoco decía nada.
Y pasò el tiempo de las mieses.

Hoy una mano de congoja
llena de otoño el horizonte.
Y hasta de mi alma caen hojas.

Me decían: -No tienes nada.
No estás enfermo. Te parece.

Era la hora de las espigas.
El sol, ahora,
convalece.

Todo se va en la vida, amigos.
Se va o perece.

Se va la manò que te induce.
Se va o perece.

Se va la rosa que desates.
También la boca que te bese.

El agua, la sombra y el vaso.
Se va o perece.

Pasò la hora de las espigas.
El sol, ahora,
convalece.

Su lengua tibia me rodea.
También me dice:-Te parece.

La mariposa volotea,
revolotea,
y desaparece.

La mariposa volotea,
revolotea,
y desaparece.

Pablo Neruda

Anônimo disse...

Bem, digamos que talvez. Não costume me perder com pessoas perdidas. Perdidas no sentido de não se encontrarem. Digo, não saberem exatamente o que são, que caminho estão percorrendo. E por quais razões estão nesse caminho. Isso não exclui as surpresas e os improvisos que a vida impõe. Em todo caso, se ainda é tempo, um ano de 2008 muito feliz para você, dona/proprietário deste blog. Lembre-se, sobretudo, que la nave va. Permaneça nela, a viagem pode ser boa.

Lilian disse...

A minha perda me diz respeito, assim como meus encontros. O meu caminho, só a mim me cabe trilhá-lo...

padma wangmo- disse...

my god, tu voou?

padma wangmo- disse...

ah, qut ao ser acima, não entendi bem, me perdi no seu comentário...

complicadas essas pessoas encontradas, não?